Identidade Visual / Quando respiro?

IDENTIDADE VISUAL & PAINEL DE PALAVRAS

respiros poéticos: percursos, poesia e materialidades
poesia + movimento + ciclo + tempo + ar + caminhos
tato + toque + palavras + gesto + gosto + pulmão

(I)

Cercam-me de metáforas quando entro no véu
entre este e outro mundo. Quando meu corpo, coberto de camadas
de tecido, do limbo e linho, adormece, e, na mesma medida,
permanece desperto. A leveza transparente, lúcida e macia da inexistência.

(II)

a barreira entre eles e eu
é uma fina camada de fibras
entrelaçadas e torcidas.
eu enxergo entre as brechas do tecido.
o que há lá, afinal?

(III)

um véu que cobre meus olhos
um movimento de dança
que me leva
toma todas as superfícies
(pele), (tecido), (ar),
alcança os dedos até o céu.

(IV)

(entre)meio, gosto do vento,
gosto, tato e sintonia.

(V)

sou eu,
que desperto depois de infinitas estações.
respiro profundo, um chiado meio rouco.
a aa aaa aaar. respiro é poesia
& encontro.

Compartilhe: